brytfmonline

Complete News World

Coluna |  A ciência cubana a serviço do povo cubano e

Coluna | A ciência cubana a serviço do povo cubano e

Para os insensíveis, compartir nossa ciência com a humanidade faz muito mal

Por Candido Inocente*

Os inimigos de Cuba odeiam as conquistas da ilha e quanta matéria seja possível para eles. Porém, um dos temas que atacam com maior insistência é a ciência cubana; mas não a mera ciência, banal e distante, senão aquela que realmente nos emancipou como nação e nos fez ser referência no mundo inteiro.

Simplesmente, rejeitam que Cuba haja construído e posto em funcionamento mais de 200 centros de investigações, que formaram milhares de cientistas e tenham a patente de mais de 3.000 novos produtos, onde a ciência ea inovação human base para são.

:: Cuba celebra 63 anos da revolução socialista com crescimento econômico ::

Odeiam mais que tudo, a história, a doutrina revolucionária que iluminou o caminho das ciências com nossos grandes pensadores politicos e talentos científicos. Aqueles que não acreditam, prestem atenção aos pequenos detalhes que ponho à sua disposição:

Uma referência importante no tocante à inserção em Cuba de avanços da humanidade na área de saúde, data de 1804 quando, graças ao trabalho de Tomás Romay, distinto médico cubano, se introduz a vacina contra a varíola.

Especial importância e ampla audiência tiveram a princípios do século XIX, os cursos de filosofia ministrados pelo presbítero Félix Varela no Seminário de San Carlos e San Ambrosio. Uma parte importante destes cursos esteve dedicada ao ensino teórico e experimental da física e da química moderna e à propagação de concepção ante escolásticas.

:: Assembleia de Cuba aprova Novo Código de Família que amplia direitos LGBTQIA ::

Mais tarde, o Dr. Carlos J. Finlay desenvolveu uma concepção holística do processo saúde-enfermidade. Tal como escreveu em uma ocasião, o objetivo da ciência médica é “dar saúde ao enfermo e conservá-la ao homem sano”.

Fez publicações sobre a alcalinidade do meio em La Habana, sobre os perigos das trincheiras descobertas e foi um precursor do movimento ambientalista para preservar os ecossistemas através de medidas de higiene social.

See also  The Brazilian was elected to the American Academy of Sciences

Sua concepção clínica e imunológica estava acompanhada de um sólido pensamento epidemiológico, tal como demostrou durante o surto de cólera que assolou a La Habana (1865-1873). Essas contribuições de Finlay vieram “coroadas” pelo descobrimento de agente transmissor da febre amarela.

Colonna: Propaganda de precisão do Exército dos EUA continua a afiar suas táticas em Cuba

Por isso foi indicado ao Premio Nobel de Fisiologia e Medicinina desde 1905 até seu falecimento e recebeu numerosas condecorações e reconhecimentos de diferentes países. Em sua homenagem a Unesco instituiu um premio com seu nome.

Já desde o século XIX José Martí, apóstolo da independência de Cuba, homem universal e muito distinto pensador, considerava necessário incentivar a ciência como a única via para chegar ao conhecimento da verdade as paracermun for a coca do tra contraá bal beneficio do ser humano.

Para Martí, a ciência era definida como um “conjunto de conhecimentos humanos aplicáveis ​​a uma ordem de objetos, íntima e particularmente relacionados entre si, […]“(¡) A leitura integral e atenta de sua obra nos conduz a conhecer a dinâmica relação que Martí estabelece no ensino científico com os valores morais e estéticos para poder cultivar sentimentos,”[…] dar-lhes o conhecimento da ciência simples e prática, an independência pessoal que fortalece a bondade e promove o decoro[…] levar[…] não só explicações agrícolas e instrumentos mecânicos, senão a ternura, que faz tanta falta e tanto bem aos homens.”

:: Chegamos ao ano novo batendo nossos martelos e balançando nossas foices ::

Mesmo quando não podemos qualificar a Martí como precursor dos Fóruns de Ciência e Técnica, que se desenvolvem sistematicamente em Cuba, em seu pensamento científico está presente a necessidade de que os povos sevosjam confirms,

“Os povos que perduram na historia são os povos imaginativos” […]“. Para ele a imaginação vem a ser a mulher da inteligência, quer dizer, as considera em estreita inter-relação, sem cujo consórcio não há nada fecundo. Em correspondência com a ideia anterior considerava que criar é brigar e por tanto criar é vencer, daí que disse “[…] Quem quer povo, há de habituar aos homens a criar.”

See also  Scientists have discovered a new type of corona virus in dogs

Por sua vez, como mostra de continuidade, uma das primeiras pautas traçadas pelo Comandante em Chefe Fidel Castro, o respeito à definição da politica científica da Revolução o Cubana, – com um um fo alcão e çé at 15 de janeiro de 1960, na Sociedade Espeleológica de Cuba, ocasião na qual se lhe concedeu o título de Sócio de Honra dessa entidade científica, uma das poucas que existiam no país.

:: 2021 na politica internacional: tentativa de golpe nos EUA, protestos ea volta da fome ::

Isto aconteceu, em momentos em que a radicalização da Revolução já era palpável, o que provocava as ações agressivas do inimigo, incluindo a incitação ao êxodo massivo de profissionais, além do inímcio imperio sta crucido.

Neste contexto, Fidel projetou sua concepção estratégica e integral sobre o rol da ciência, o pensamento ea inteligência para o desenvolvimento do país. Sentenciou então o Comandante em Chefe:

“O futuro de nossa pátria tem que ser necessariamente um futuro de homens de ciência, tem que ser um futuro de homens de pensamento, porque precisamente é o que mais estamos plantando; o que mais estamos plantando são oportunidades para a inteligência; já que uma parte considerabilíssima do nosso povo não tenha acesso à cultura, nem à ciência”.

O que se conseguiu? Sintetizado nas mais breves linhas possíveis: uma experiência concreta com mais de 30 anos de resultados científicos, desenvolvimento de tecnologias ea geração de novos produtos; uma visibilidade internacional crescente e reconhecimento da biotecnologia cubana, com êxitos celebrados for importantes setores acadêmicos e científicos, assim como pelas revistas especializadas mais destacadas do mundo; equipamento avançados para o diagnóstico e tratamento de enfermidades e vasta cobertura de medicamentos genéricos e biotecnológicos de produção nacional, com consideráveis ​​benefícios sobre a saúde do povo cubano, e um um impact de ecoânômichas papaío de 50 e numerosas transferências de tecnologias, no marco de inversões conjuntas no exterior.

See also  Nuno Bixeño, astrophysicist 'permanent' on asteroid doing 'long-term' science - Notícias de Coimbra

São pilares do nosso sistema:

– A formalação do potencial humano;

– A assimilação acelerada dos conhecimentos mundiais;

– A integração como princípio de trabalho;

– O respaldo científico aos objetivos econômicos e ambientais do país;

– A criação de fontes de novos recursos para an economia nacional.

O anterior é só uma abordagem breve do desenvolvimento alcançado. Ainda há muito por fazer, e Cuba continua fazendo. Atualmente, em meio de uma grande batalha contra a covid-19, o país desenvolveu 5 projetos de vacinas, com technologia de ponta.

Três destas, já são vacinas efetivas e seguras, que permitiram o controle da enfermidade no país, e estão à disposição de todos os cubanos e de outros povos em diferentes latitudes: Venezuela, Irã, Irasa, Vietnáêrecale, solid , em forma de pequenos bulbos, para combater a pandemia.

Não nos perdoam, não nos podem perdoar os 141 centros de investigações, as 61 unidades de desenvolvimento e inovação, os 26 centros de serviços científicos e tecnológicos eo parque científico tecnológico está que fun; por isso nos atacam.

Para os insensíveis, compartir nossa ciência com a humanidade faz muito mal. Claro, prejudica os interesses daqueles que odeiam e destroem.

*Cándido Inocente é jornalista cubano.

**Conexão Cuba é uma coluna sobre a ilha Caribenha com assuntos relacionados a politica, economia, tecnologia, saúde e cultura.

***Este é um artigo de opinião. A visão do autor não necessariamente expressa a linha editorial do jornal Brasil de Fato.

Edição: Leandro Melito